December 19, 2018

4.2 Planeamento da sucessão

Muitas empresas de ovos em toda a Europa são operações familiares. Na verdade, o sector dos ovos da UE depende fortemente da continuidade e sucesso dos negócios familiares.

No sector USASME menos de um terço das empresas familiares sobrevive à transição da primeira para a segunda geração. Daqueles que o fazem, cerca de metade não sobrevive a transição da segunda para a terceira geração. Como exemplo de estatísticas da EU salienta-se que, na Irlanda em 2008, a Comissão Europeia incumbiu  a Tom Martin & Associates / TMA de realizar um estudo “Visão geral dos Assuntos Relevantes das Empresas Familiares”. Estima-se que as empresas familiares sejam três quartos do total de empresas na Irlanda e sejam responsáveis por metade do emprego no setor privado. Para além disso, estima-se que 31 das 50 maiores empresas privadas da Irlanda sejam de propriedade familiar.

O respeitado Centro para o Empreendedorismo John F. Baugh nos EUA, diz-nos que há basicamente quatro razões para que as empresas familiares não consigam transferir o negócio de geração em geração com sucesso:

  • Falta de planeamento (A principal causa para o insucesso)
  • Falta de viabilidade do negócio
  • Pouco desejo por parte do proprietário para transferir a empresa.
  • Relutância dos filhos para entrar para a empresa

No entanto, a pesquisa mostrou que, com a implementação dos planos certos, o negócio, na maioria dos casos, continuará saudável.

Existem quatro planos que formam o processo de transição. Ao implementar esses planos, vai praticamente garantir a transferência bem-sucedida do negócio dentro da hierarquia familiar.

Os planos são:

  • Um plano estratégico para o negócio permitirá a cada geração uma oportunidade para traçar um
    curso para o negócio. Definir metas de negócios enquanto família irá garantir que todos tenham uma imagem clara do futuro da empresa.
  • O plano estratégico familiar estabelece políticas para o papel da família no negócio. Pretende-se evitar conflitos posteriores sobre a compensação, a rivalidade entre irmãos, a propriedade e o controlo de gestão.
    Poderá incluir: 

    • Uma política de entrada e saída que define os critérios para trabalhar no negócio.
    • Uma declaração de missão que explicita os valores da família e políticas básicas para o negócio.
    • Outras questões que são importantes para a família.
  • Um plano de sucessão vai aliviar as preocupações da geração fundadora ou atual. Seria tipicamente definir como a sucessão irá ocorrer e como saber quando o sucessor está preparado. Muitos fundadores não querem deixar a empresa, porque têm medo que os sucessores não estejam preparados. Muitas vezes, os herdeiros apercebem-se desta relutância e planeiam uma carreira alternativa.
  • Um plano patrimonial é crítico para a família e para a empresa, e exigirá o aconselhamento de um especialista em fiscalidade relativamente aos impostos sucessórios.

Está disponível um documento muito útil com modelos e que explora detalhes importantes sobre cada um destes planos. Apesar de ter sido publicado há mais de uma década, ainda é extremamente relevante na atualidade.

Título: TRANSFERÊNCIA DA GESTÃO NAS EMPRESAS FAMILIARES

Autor Professor Nancy Bowman-Upton

Link http://archive.sba.gov/idc/groups/public/documents/sba_homepage/serv_sbp_exit.pdf

Blogs sobre o Planeamento da Sucessão

http://bx.businessweek.com/succession-planning/blogs/